Ouça agora na Rádio

foto-locutor

Buscando...

Buscando...

Destaques

Locais/Regionais

Compartilhe agora

ACIBr se manifesta contrária à redução de impostos proposta pela ABVTEX junto a Camex

Postado em 03/06/2020 por

img-page-categoria

*Fonte imagem : ACIBr se manifesta contrária à redução de impostos proposta pela ABVTEX junto a Camex*


Divulgação

A Associação Empresarial de Brusque, em parceria com demais entidades do município, se manifesta contrária ao pedido de redução de impostos feita pela Associação Brasileira do Varejo (ABVTEX) junto à Câmara de Comércio Exterior (Camex). A proposta reduz de 35% para 16% a carga tributária de produtos importados e alega que a indústria de confecção nacional não tem condições de fornecer tais artigos em “quantidade, qualidade, preço e diversidade exigidos”.

De acordo com a presidente da ACIBr, Rita Cassia Conti, em dezembro de 2019, a Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (ABIT), por meio de seu monitoramento permanente da política comercial externa, tomou conhecimento de um pedido formal apresentado pela ABVTEX  ao governo brasileiro, no qual rebaixa o imposto de importação de quatro grupos de produtos, com ênfase em suéteres, pulôveres, cardigans e demais artigos de inverno, nas linhas masculino e feminino.

“É uma notícia triste porque afeta toda a cadeia têxtil, principalmente na nossa região. Entendemos que a medida está na contramão de uma política saudável, ainda mais levando em consideração os 11 milhões de trabalhadores desempregados. Sem mencionar que se trata de uma concorrência desleal”, avalia a presidente da ACIBr, Rita Cassia Conti.

Seguindo o pedido feito pela ABIT, a ACIBr estará reunindo demais entidades e sindicatos para se manifestarem contrários à medida e, na próxima semana, encaminhará ofícios para a Bancada Catarinense, solicitando intervenção dos Deputados Estaduais, Federais e Senadores contra o projeto.

Saiba mais

A ABIT já está trabalhando na contestação da demanda apresentada pela ABVTEX. Para a entidade, alegar que as indústrias nacionais não têm condições de atender a demanda das grandes magazines é não reconhecer a capacidade produtiva e a competência da indústria brasileira. Além disso, não incidirão sobre os produtos importados o mesmo marco regulatório, fiscalizatório e de compliance exigidos no Brasil. Por fim, fornecedores internacionais não passam pelos mesmos processos de auditagem aos quais são submetidas às empresas nacionais.

A entidade ressalta que a indústria de confecção brasileira tem atendido a demanda do país e exterior de forma permanente, em quase dois séculos de atuação.

Ideia Comunicação

Deixe um comentário

Ao enviar um comentário você concorda com nossas politicias de comentários, saiba no link ao lado. política de comentários